quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Fashion Travel: Los Roques - A Noronha do Caribe


Imagine um lugar onde as praias são perfeitas, não há furacões, a natureza é respeitada, não há hordas de turistas, grandes hotéis estragando a paisagem, cassinos ou adolescentes em clima de Spring Break vomitando em cima das mesas.
Sim, este lugar ainda existe no Caribe e, por incrível que pareça, é considerado o local caribenho com alguns dos mais belos recifes de coral e as mais belas praias.
Estou falando de Los Roques, na Venezuela, o maior arquipélago do Caribe, cheio de ilhotas como esta da foto - que lá são chamadas cayos (do inglês key, como Key West, na Flórida). A ilhota da foto se chama Pelona de Rabusqui, e é das mais isoladas. Se quiser ter a sensação de ser Eva num Éden perdido, vá!




Praias como esta estão por todos os lados. O lugar é o novo hit caribenho dos brasileiros de bom gosto, tanto que passou a ser chamado de a "Noronha do Caribe", porque lá você vai respirar a mesma atmosfera de destino ecoturístico, uma simplicidade autêntica e chic, que você ainda encontra em Fernando de Noronha, e um Caribe primitivo como praticamente já não se encontra em nenhum outro lugar, fora as ilhas exclusivas frequentadas por príncipes, astros do rock e atrizes de Hollywood.
Apesar da rusticidade charmosa das pousadas, elas não são baratas, e têm encarecido conforme o destino entra mais na moda. Mas não fique triste, pois já é um bálsamo saber que este lugar existe e resistiu tanto tempo ao turismo massificado. E a pergunta que não quer calar é: por quê?
Bem... nunca pensei que teria que agradecer algo a Hugo Chavez. Dizem que um dia ele visitou a ilha e foi recebido com vaias e tomates na cara. O ditador ficou tão irritado que prometeu jamais direcionar recurso qualquer para as ilhas e mantê-las no esquecimento, sem qualquer investimento ou divulgação para que o turismo ali prosperasse. Gracias, Chavez. Assim, as ilhas ficaram desconhecidas pela maioria durante muito tempo até serem descobertas por eles - sempre eles - os italianos, donos da maioria das pousadas, e que adoram viajar pelo mundo descobrindo novos recônditos.



As praias de Los Roques são todas praticamente vazias e quase não há vegetação. Logo, também não há onde se esconder do sol. Vá preparado, munido de guarda-sóis e muito protetor. E munido de um amor também. Afinal, não tem mais nada pra fazer lá, exceto apreciar a paisagem idílica e... você sabe o que mais.




O grande barato de Los Roques - que apesar de ser paga em bolívares, não é exatamente barata - são os passeios de barco para os cayos. Cayo de água é uma praia muito especial, onde há mar dos dois lados e conforme as horas passam, os mares vão se encontrando. Divino!




Francisqui vale um mergulho. Aliás, todas as ilhas são especiais, cada qual com sua beleza. E para chegar nesse arquipélago você vai precisar pegar um aviãozinho pequeno, saindo do aeroporto de Caracas, como aqui no Brasil nós fazemos pegando o vôo Natal - Fernando de Noronha.
Se for ficar algum tempo em Caracas, vale lembrar pra tomar cuidado, pois é uma cidade bem violenta. No câmbio também, tome cuidado para não ser enganado.



Madrisqui é outra das ilhas. Os nomes terminam todos assim com "qui", exatamente por causa do inglês "key", conforme já foi falado.
O caribe venezuelano, além de ser dos mais próximos ao Brasil, tem ainda outra vantagem: está longe da rota dos furacões e lá chove muito pouco, mesmo nos meses considerados mais chuvosos.




A fauna de Los Roques é um capítulo à parte. Você verá pelicanos e uma vida marinha muito rica, praias cheias de estrelas do mar, que podem ser vistas mesmo quando estão dentro d'água porque a água é muito transparente, como uma piscina, e tartarugas marinhas.




Em Dos Mosquises tem até um projeto semelhante ao projeto Tamar, que existe em várias praias do Brasil.




A gastronomia de Los Roques, claro, é embasada nos frutos do mar, que são de muita qualidade, especialmente as lagostas, encontradas em abundância na região.




Lotação máxima em Cayo de Água.




Para mais informações sobre o destino e como ir, consulte Flávia Soubhia, da Faustur Turismo.

2 comentários:

  1. ...como Deus é Divino ne??? que paisagem ...que lugar!
    sei que pode ser seu proximo destino Adriana Polari!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, espero que sim... Quem sabe não vamos todos nós?

      Excluir